quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Mais um planeta fora do Sistema Solar pode ter água: por que ele é diferente dos outros?

exoplaneta comparacao terra 0117 797x471
REPRODUÇÃO/NASA

Planetas que, apesar de não orbitarem o sol (como faz a Terra), possuem algumas condições favoráveis à vida são chamados de exoplanetas e andam sendo descobertos aos montes.
Mas, o GJ 1132 b parece ser diferente: além de ter as medidas mais próximas com as do nosso planeta, acredita-se que ele também tenha água e metano nas mesmas proporções da Terra. E mais: oxigênio.
Ao contrário do planeta Proxima b, por exemplo, que apesar de ser parecido com a Terra e também conter água, ainda não demonstrou vestígio de oxigênio, ou o GJ 1214 b, que é muito maior que o nosso planeta (cerca de sete vezes) e chega a ter mais água, mas sem as proporções necessárias, e também sem oxigênio.
"Pode ser a primeira vez que detectamos oxigênio em um planeta rochoso fora do sistema solar", disse Robin Wordsworth, o co-autor do estudo sobre o exoplaneta, da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, publicado no periódico científico The Astrophysical Journal, para a Nasa.
De acordo com a pesquisa, ele fica a 39 anos-luz da Terra (1 ano luz = 9,46 trilhões de quilômetros), uma distância considerada pequena se comparada com a dos outros planetas que têm indícios de água. E isso, aliado com o fato dele orbitar uma estrela-anã do tipo M, com temperaturas mais frias, permite seu estudo mais detalhado.
Publicidade
A partir da estimativa da sua densidade (que é a relação entre o peso do objeto e o volume, uma medida que indica a quantidade de matéria que existe em um determinado espaço), foi possível supor a sua composição. Contando que exista mesmo vapores d'água nele, o modelo sugere que o planeta seja um oásis espacial úmido, com uma porção de água envolvendo um centro rochoso.
"O próximo passo é fazer observações com telescópios maiores, e telescópios espaciais, com […] uma resolução muito melhor", explica John Southworth, professor de astrofísica na Universidade de Keele, na Inglaterra, e autor principal do trabalho, como reportado pelo site de notícias científicas Scientific American.

Mas como saber se um planeta é habitável?


O primeiro passo para descobrir se um planeta pode abrigar vida é saber se ele é capaz de aguentar uma atmosfera pesada (camada de gases que cobre sua superfície). A maior parte não consegue, pois a atividade das suas estrelas é muito grande (liberam grandes quantidades de gás e energia). A temperatura do planeta e a existência de água, metano e oxigênio, também são essenciais.
Para descobrir alguns desses dados, observa-se a luz emitida pelo planeta: quando ele passa pela sua estrela, bloqueia uma parte da luz, e isso gera uma sombra que chega até a Terra. A atmosfera de um planeta absorve uma fração minúscula da luz das estrelas em torno das bordas da sombra, filtrando certos comprimentos de onda de acordo com sua composição.
Com o uso de telescópios altamente especializados, é possível verificar a quantidade de luz absorvida, e isso indica a possibilidade da existência de água ou metano na atmosfera em proporções aproximadamente iguais, por exemplo, exatamente como acontece na Terra.
Já a massa é medida por um cálculo que leva em consideração a aceleração e a desaceleração de um planeta em relação à sua estrela, que ocorre por causa do efeito da gravidade (força que “puxa” o planeta e que faz ele se mover na trajetória em torno (órbita) da estrela, assim como a Terra gira em torno do Sol). É a diferença entre eles que permite dizer a massa.