terça-feira, 10 de março de 2015

Monstro buraco negro descoberto na madrugada cósmica

A descoberta do quasar mais brilhante no início do universo, alimentado por um buraco negro mais maciço ainda conhecido na época apresenta um quebra-cabeça para os pesquisadores: Como poderia algo tão grande e luminosa forma tão cedo no universo, apenas 900 milhões de anos após o Big Bang?




Ele tem um equivalente a 12 mil milhões de soles em massa e sua própria existência é um desafio para a ciência. É um buraco negro supermassivo que se formou quando o Universo tinha apenas 875 milhões ano (6% de sua idade atual) e está bem no meio de um quasar superluminal. Na verdade, este quasar é o objeto mais brilhante já observada nesse período distante da nossa história. A descoberta surpreendente é publicado esta semana na "Nature".

Acredita-se que todos os buracos negros supermassivos formado enquanto galáxias, mais de dez bilhões de anos atrás no início do universo. E acredita-se que eles poderiam alcançar seus tamanhos enormes baseado "devorar" enormes quantidades de matéria de seu entorno, um processo de "alimento" que libera energia suficiente para ser observado da Terra na forma de objetos extremamente brilhantes e Ciência chamou quasares (inglês "quase objetos estelares"). Um quasar, então, nada mais é que uma nuvem de material que está sendo engolido por um buraco negro. Como o material da nuvem acelera em direção ao seu carrasco, atraídos pela sua gravidade, aquece cada vez mais a ser extremamente luminosos e arejados.

Cada um e cada uma das maiores galáxias que vemos ao nosso redor hoje abrigado em seus centros de um buraco negro supermassivo. Os cientistas pensam que todos esses grandes buracos negros formada quando o universo era muito jovem, e, inicialmente, suas massas eram pequenas, entre 100 e 100 mil vezes maior do que o nosso sol. Ao longo dos bilhões de anos desde a sua formação à distância para o presente, no entanto, alguns deles conseguiram crescer para gigantescos tamanhos até bilhões de massas solares, com base no campo "devorar" de seu entorno ou a fusão com outros buracos negros.

Portanto, maiores buracos negros têm sido, com acima de 10.000 milhões de soles massas são, generalemente no mais próximo (a parte do universo em que nos encontramos) e recente Universo. Para perceber a magnitude desses "monstros do espaço" real só acho que o buraco negro adormecido no centro da nossa galáxia, a Via Láctea, tem "apenas" entre 4 e 5 milhões de vezes a massa do Sol.

Mas encontrar um buraco negro supermassivo 12.000 milhões de massas solares no universo precoce (quando ele tinha apenas 875 milhões ano) é algo completamente diferente. Na verdade, nenhuma teoria atual é capaz de explicar como um buraco negro poderia crescer muito em tão pouco tempo.

Xue-Bing Wu da Universidade de Pequim e principal autor do estudo, encontrou o "monstro" durante a realização de uma análise detalhada dos objetos mais luminosos e distantes no universo. A primeira coisa que viu foi um quasar "ultra-brilhante" (ambos de emissão de um trilhão de vezes a energia do sol) e cujo buraco negro central parecia ter um tamanho desproporcional, muito surpreendente, especialmente porque se formou apenas 875,000 mil anos após o Big Bang ou seja, quando o universo tinha apenas 6% de sua idade atual.

O rápido crescimento do buraco negro em um tempo relativamente curto, tais desafia teorias existentes. Nas palavras de Fuyan Bian, da Universidade Nacional da Austrália e membro da equipe de Wu, "a formação de um buraco negro tão grande tão rapidamente é muito difícil de interpretar com as teorias atuais."

A partir de agora, os pesquisadores vão tentar explicar como este objeto que, em tese, não deveria ser possível. E eles vão olhar se é um fenômeno isolado ou se, pelo contrário, há mais buracos negros supermassivos no início do universo.

Ao mesmo tempo, no entanto, o brilho extremo do quasar que rodeia o "monstro" oferece aos cientistas uma posição única para investigar mais detalhadamente as condições do universo naquele período distante da sua chance de existência.