segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

O futuro humano no Sistema Solar

POR SALVADOR NOGUEIRA

Imaginem Um Filme Que em POUCO Menos de Quatro Minutos Revela o Futuro da Exploração humana do Nosso Sistema Solar. Bem, ágora NÃO imaginar Mais. Assista-o, com Direito a narração fazer inigualável Carl Sagan.



"Wanderers"  ("Andarilhos", em Tradução Livre) e Obra do artista sueco Erik Wernquist visuais e traduz, em poucas cenas, Toda a Beleza Dos Mundos that orbitam O Nosso Sol. Não Há ficção nsa Cenários explorados - APENAS uma Presença de Humanos Neles e Um vislumbre do Nosso distante porvir, uma Civilização Caso consiga Sobreviver à Atual Adolescência Tecnológica e se desenvolva Pará colonizar o Espaço.
O texto de e emprestado do Livro de Sagan, "Pálido Ponto Azul", narrado POR ELE MESMO, eA Combinação E sensacional. Abaixo, Confira Uma Tradução Livre do Conteúdo do Filme.
***
TODOS OS LOCAIS MOSTRADOS NESTE CURTA-metragem SÃO RECRIAÇÕES DE LOCAIS VERDADEIROS EM NOSSO SISTEMA SOLAR
Apesar de Todas As SUAS Vantagens materiais, uma vida sedentária nsa deixou inquietos, insatisfeitos. MESMO APOS 400 Gerações em vilas e Cidades, Não Nos esquecemos. A Estrada Aberta AINDA nsa Chama, Uma Como canção da infância Quase esquecida.
Andarilhos
Investimos Lugares distantes com Um certo romantismo. O Apelo, eu Suspeito, foi meticulosamente moldado Pela Seleção natural, Como hum Elemento essencial à Nossa Sobrevivência.
Verões Longos, invernos Amenós, Colheitas ricas, Caça abundante, nada Disso dura Pará sempre.
Sua Própria Vida, uo de Seu bando, OU ATÉ MESMO de SUA ESPECIE, sor PODE PRODUTO de uns poucos inquietos, atraídos, Por Um Desejo that they dificilmente articular PODEM OU compreender, parágrafo terras desconhecidas e Novos Mundos.
Herman Melville, em "Moby Dick", falou POR andarilhos de Todas As épocas e meridianos. He Disse: "Eu sou atormentando Por uma coceira interminável POR Coisas remotas. Eu adoro éguas Navegar POR Proibidos ".
TALVEZ SEJA hum pouco CeDo. TALVEZ o ritmo NÃO AINDA tenha chegado. Mas cessos São OS mundos Que prometem Oportunidades Nunca Ditas, acenando. Silenciosamente, Eles orbitam o Sol, esperando.
***
Em poucos minutes, vemos astronautas deixando a Terra e Marte, Explorando o cinturão de asteroides, Júpiter, Saturno e Urano. No planeta Vermelho, uma colônia Uma Civilização estabelece, Acessível POR Meio de hum elevador espacial. Vemos intrépidos Humanos Observando hum tocante Por do Sol marciano.
Um Pôr do Sol em Marte, baseado em Imagens reais obtidas cabelo jipe ​​Espírito!
Um Pôr do Sol em Marte, baseado em Imagens reais obtidas cabelo jipe ​​Espírito!
No cinturão, asteroides São escavados e TRANSFORMADOS em Estruturas ocas capazes de abrigar Humanos em interior Seu, Protegidos ali da Radiação cósmica. Em Júpiter, Exploradores admiram a Grande Mancha Vermelha e caminham POR Sobre a superficie gelada da lua Europa.
Caminhando Pela superficie de Europa, das luas de Júpiter UMA.
Caminhando Pela superficie de Europa, das luas de Júpiter UMA.
Em Saturno, uma visita Humanidade como plumas da Pequena Encélado, colônias estabelece EM Iápeto e literalmente VOA? Sobre éguas Os de metano de Titã. Enormes dirigíveis flutuam POR Sobre as Nuvens saturninas, admirando a Beleza dos Anéis, also visitados de Perto POR astronautas. E, em Urano, outro Esporte radical: salto dos desfiladeiros de Miranda, OS MAIORES fazer Sistema Solar.
Saltando do Abismo em Miranda, lua de Urano!  Radical!
Saltando do Abismo em Miranda, lua de Urano! Radical!
Incrível Demais Para Ser Verdade? Todos sos Lugares existem e estao Ao Nosso alcance. Nada fazer that Esse Filme Mostra E Impossível. E APENAS extraordinariamente caro e exigirá Grandes Investimentos de engenharia no futuro. Mas, se a Humanidade durar POR Mais algumas centenas de anos, Quem duvidará de that este PODE Ser O Nosso futuro?
Como Diz o proprio Sagan, AINDA NÃO ESTÁ claro QUANDO ISSO Acontecer vai. TALVEZ O Século 21 AINDA NÃO SEJA o momento. Mas PODEMOS JA de Hoje vislumbrar com clareza - Graças a NOSSOS PROPRIOS esforços pioneiros com Sondas Automáticas - como cenas that moldarão OS NOSSOS sonhos de Descendentes, no distante futuro. É de se emocionar.

Suposto ‘crânio humano’ aparece em foto da Nasa em Marte


Suposto crânio humano aparece em foto da Nasa em Marte
Foto: The Huffington Post / Reprodução


não é a primeira vez que as pedras em Marte causam polêmica. Agora, ufologistas e defensores de vidas extraterrestres de forma geral defender ter encontrado uma espécie de crânio, semelhante ao humano, em uma foto divulgada pela Nasa. As informações são do The Huffington Post.
Embora a foto tenha sido tirada há alguns anos pela câmera panorâmica do robô Spirit, somente agora o site de ufologia Paranormal Crucible começou a divulgar a foto e causar polêmica, ao defender que o crânio seria maior do que de um humano, algo entre 15 e 20%, sendo proporcional a um ser entre 9 e 10 metros de altura.
O site de ufologia UFO Sightings Daily diz que há 80% de chance de a foto não ter sido editada, sendo verdadeira. “Isto confirma, obviamente, que humanos gigantes vivem em terras marcianas”, defende.
Apesar disso, descrentes reclamam que a imagem foi alterada e que o suposto crânio é, somente, mais uma das pedras do planeta. 



Nasa: descoberto primeiro exoplaneta habitável do tamanho da Terra

Cientistas descobriram o primeiro planeta fora do Sistema Solar de tamanho semelhante ao da Terra e onde pode existir água em estado líquido, o que o torna habitável.
A descoberta reforça a possibilidade de encontrar planetas similares à Terra na nossa galáxia, a Via Láctea, segundo uma equipe internacional de astrônomos liderada por um profissional da Nasa. O trabalho foi publicado na edição desta quinta-feira da revista científica americana Science.
"É o primeiro exoplaneta do tamanho da Terra encontrado na zona habitável de outra estrela", destaca Elisa Quintana, astrônoma do centro de pesquisas Ames, da Nasa, que ficou à frente da pesquisa.
"O que torna esta descoberta algo particularmente interessante é que este planeta, batizado de Kepler-186f, tem o tamanho terrestre e está em órbita ao redor de uma estrela classificada como anã, menor e menos quente do que o sol, na zona temperada onde a água pode ser líquida", afirmou.
Considera-se que esta zona seja habitável poque a vida como a conhecemos tem possibilidades de se desenvolver naquele ambiente, segundo os pesquisadores.
Para Fred Adams, professor de Física e Astronomia da Universidade de Michigan, "trata-de de um passo importante na busca para descobrir um exoplaneta idêntico à Terra".
Nos últimos vinte anos foram detectados cerca de 1.800 exoplanetas, dos quais cerca de vinte orbitam ao redor de sua estrela em uma zona habitável. Mas esses planetas são muito maiores do que a Terra e, por isso, é difícil, devido ao seu tamanho, determinar se são de composição gasosa ou rochosa.
Segundo modelos teóricos sobre a formação planetária, estabelecidos a partir de observações, os planetas que têm raio 1,5 vez inferior ao da Terra têm poucas chances, por causa do seu tamanho, de acumular uma atmosfera espessa como os planetas gasosos gigantes do nosso sistema solar."Nestes anos aprendemos que há uma transição líquida entre os exoplanetas cujo raio é 1,5 vez o da Terra", explica Stephen Kane, um astronauta da Universidade de San Francisco, co-autor da descoberta.
"Quando o raio é entre 1,5 e 2 vezes o do raio terrestre, os planetas são grandes o suficiente para acumular uma atmosfera espessa de hidrogênio e hélio", acrescentou.
O exoplaneta Kepler-186f tem raio 1,1 vez maior do que o da Terra e entra na categoria de planetas rochosos do nosso Sistema Solar, como Terra, Marte e Vênus.
"Levando em conta o pequeno tamanho do planeta, tem grandes possibilidades de ser rochoso e ter uma atmosfera. Se essa atmosfera oferecer boas condições, a água pode existir em estado líquido na superfície", explica à AFP Emelie Bolmont, pesquisadora da Universidade de Bordeaux, França, que participou da descoberta.
Bolmot acrescentou que, para se ter certeza de que é realmente rochoso, "seria preciso obter a massa do planeta, o que não é possível com os instrumentos atuais".
O Kepler-186f está em um sistema estelar situado a 490 anos-luz do Sol (um ano luz = 9,46 trilhões de quilômetros) e conta com outros cinco planetas, todos de tamanho parecido com o da Terra, mas situados fora da zona habitável.
Em novembro de 2013, os astrônomos consideraram que existem bilhões de planetas de tamanho terrestre potencialmente habitáveis. Essa conclusão se baseia nas observações do telescópio espacial Kepler, lançado em 2009 para esquadrinhar mais de 100 mil planetas similares ao nosso e situados nas constelações de Cisne e Lira.