domingo, 4 de dezembro de 2016

SETI E NASA TERIAM DETECTADO SINAL ALIENÍGENA EM GANIMEDES

O SUPOSTO FATO TERIA PROVOCADO UMA REUNIÃO INTERNACIONAL, COM DESFECHO SURPREENDENTE

E se já tivéssemos nos comunicado com inteligências não terrestres?
Será que astrônomos da Agência Espacial Norte-Americana (NASA) e da Busca por Inteligência Extraterrestre [Search for Extraterrestrial Intelligence, SETI] realmente detectaram um sinal artificial de uma das maiores luas de Júpiter, Ganimedes, durante a década de 1980? Segundo alguns pesquisadores, a resposta é sim.
Este cenário parece ter ocorrido. De acordo com o autor Rupert Matthews – com quase duas centenas de livros publicados e especialista em temas históricos ou militares -, a informação foi transmitida a ele como real, por um astrônomo da NASA que estava trabalhando em estreita colaboração com o SETI.
Enquanto pode parecer, para alguns, extremamente absurdo, é bom recordarmos que foi apenas nas últimas décadas que especialistas confirmaram a forte evidência de oceanos líquidos debaixo de Europa, Ganimedes e Calisto, as três maiores luas de Júpiter. E como todos sabem, a água é o elemento que deve estar presente ao desenvolvimento da vida, por isso, enquanto se pareça como improvável, não é impossível.
Tal sinal parece ter sido detectado, segundo o autor e suas fontes, somente por um breve período de tempo, não repetindo-se desde então, talvez possamos dizer que esses ETs estariam apenas visitando o local e não seriam residentes permanentes daquela lua.
Quanto ao provável fato, é isso que Matthews relata em seu livro Alien Encounters: True Life Stories of Aliens, UFOs and Other Extra-Terrestrial Phenomena [Encontros Alienígenas: Histórias da Vida Real de Aliens, UFOs e Outros Fenômenos Extraterrestres, Arcturus Foulsham, 2008].
Profissionais da NASA e SETI captaram no rádio, conforme as narrações de Matthews, um indício que conteria uma mensagem em meados da década de 80. O sinal estava vindo de Ganimedes, lua de Júpiter, e definitivamente artificial por natureza.
Foi executado através de vários computadores e nenhum sentido decifrado quanto ao significado da mesma. O então presidente Ronald Reagan, foi notificado e uma conferência internacional montada para determinar como fazer uma tentativa para manter contato com a inteligência que estava enviando a mensagem.
Eventualmente, decidiram enviar um sinal para o local exato de proveniência, em código Morse, que era considerado por ser mais fácil para uma civilização alienígena decodificar. Foi, então, transmitido. “Recebemos o sinal, mas não entendemos. Por favor reenviar usando esta linguagem e código de transmissão.”
Imediatamente após o encaminhamento, o sinal misterioso de Ganimedes cessou a sua transmissão. Todo mundo achou que iriam receber a resposta em código Morse em curto período de tempo.
crédito: Arcturus Foulsham
Obra de Rupert Matthews, com interessante conteúdo
Obra de Rupert Matthews, com interessante conteúdo
Mas, dia após dia e depois de semanas sem sinal, as autoridades começaram a perder a esperança de efetivamente recebê-la. Finalmente, após mais de um mês, um sinal foi detectado, que vinha da fonte original de rádio em Ganimedes e, incrivelmente, foi em código Morse.
Ansiosamente, conforme o autor, cientistas da NASA traduziram o que seria o contato direto com uma inteligência não terrestre. E ela dizia: “Nós não estávamos falando com você “.
Então, esse seria o nosso primeiro contato direto com uma civilização extraterrestre? Se assim for apurada, pode ser analisada de forma positiva ou negativa. Tê-los contatado nos dizendo que não estavam falando conosco poderia indicar que não somos importantes ou desenvolvidos o suficiente para eles. No entanto, também indicaria que há várias sociedades interplanetárias na nossa vizinhança galática.

NASA REÚNE: CIENTISTAS, HISTORIADORES, FILÓSOFOS E TEÓLOGOS PARA PREPARAR A HUMANIDADE PARA CONTATO EXTRATERRESTRE!



Com as inúmeras descobertas feitas no último par de meses, a possibilidade de vida em outros lugares do cosmos é algo a ser considerado não apenas por agências espaciais de todo o mundo, mas por inúmeros governos também. Não muito tempo atrás os astrônomos reunidos na frente do Congresso (EUA)  discutiam a vida extraterrestre. Citando o tamanho do universo, astrônomos enfatizou que há trilhões de estrelas lá fora no cosmos e é muito provável que um em cada cinco estrelas abriga um planeta semelhante à Terra, para a existência da vida como a conhecemos. Mas isso não significava que a vida precisa de outro lugar nas mesmas condições que a vida na Terra precisa para sobreviver. Talvez em algum lugar lá fora, a vida precisa de magma e nitrogênio para sobreviver. “O número de mundos habitáveis ​​na nossa galáxia é certamente na casa das dezenas de bilhões, mínimo, e nós ainda não conversamos sobre as luas. E o número de galáxias que podemos ver, outros que a nossa, é de cerca de 100 bilhões. “- Seth Shostak, astrônomo sênior no Instituto SETI na Califórnia. A vida alienígena poderia estar lá em algum lugar, e é muito provável que muito em breve vamos encontrar provas disso. A Nasa está preparando o mundo para o contato extraterrestre? É muito interessante saber que a NASA decidiu juntar-se com a Biblioteca do Congresso e reunir cientistas, historiadores, filósofos e teólogos de todo o mundo top para discutir como preparar a humanidade para contato com seres não da Terra. A idéia de que a vida existe em outros lugares do universo poderia ser emocionante e perigoso para a sociedade. Imagine acordar um dia, girando sobre as notícias e ouvir que a NASA acaba de encontrar provas irrefutáveis ​​de Aliens em outro planeta e que eles já fizeram contato. O que isso significa para você, sua família, sua comunidade, país e cidade todo o planeta? Quanto as coisas mudariam? Não vamos esquecer as últimas notícias sobre o potencial de vida alienígena da NASA. Como você está lendo este artigo, os astrônomos do SETI está procurando confirmação sobre a vida alienígena perto da estrela onde a NASA capturou Megaestruturas gigantes Alienigenas. Tabetha Boyajian, um pós-doc na Universidade de Yale, disse ao jornal The Atlantic: “Nós nunca tínhamos visto nada como esta estrela. Foi muito estranho. Achamos que poderia ser ruim dados ou movimento na nave espacial, mas tudo checado “. De acordo com Jason Wright, um astrônomo da Universidade Estadual da Pensilvânia: “Estas estruturas, ou melhor dito mega-estruturas, pode ser o produto de uma civilização alienígena altamente avançada.”
Nós estamos olhando para todos os cenários sobre como encontrar vida. Se você encontrar micróbios, que é uma coisa. Se você encontrar a inteligência é outra. E se eles se comunicam, é outra coisa, e dependendo do que eles dizem, é outra coisa! A ideia não é de esperar até que fazer uma descoberta, mas para tentar preparar o público para o que as implicações que poderiam ser quando tal descoberta fosse feita. Penso que a razão que a NASA está apoiando este é causa de toda a atividade recente na descoberta de exoplanetas e os avanços na astrobiologia em geral. As pessoas simplesmente considerá-lo muito mais provável agora que vamos encontrar alguma coisa – provavelmente micróbios primeiro e talvez a inteligência mais tarde. A força motriz por trás disso é a partir de um ponto de vista científico que parece muito mais provável agora que nós estamos indo para encontrar vida em algum momento no futuro. “- Astrónomo, organizador simpósio e ex-chefe da NASA historiador, Steven J. Dick.Descobrimos que é particularmente interessante o comentário do irmão Guy Consolamgo, presidente da Fundação do Observatório do Vaticano, que afirmou: “Eu acredito que [existe vida extraterrestre], mas não tenho provas. Eu ficaria muito animado e faria a minha compreensão da minha religião mais profundo e rico de formas que eu não posso sequer prever, no entanto, que é por isso que seria tão emocionante.
Encontrar vida em outro lugar no cosmos não é uma questão de possibilidade, mas sim uma questão de tempo e Irmão Guy Consolmagno partilha desta opinião quando ele pede que o público não se surpreenda quando os cientistas confirmarem a existência de vida alienígena em outro lugar no cosmos como este é algo que vai acontecer inevitavelmente. Mas a religião, fé e vida alienígena algo compatível? De acordo com o irmão Consolmagno, ele não se importaria de estar batizando seres alienígenas no futuro. No último par de anos, o Vaticano mudou seus pontos de vista sobre a vida alienígena drasticamente. Imaginem se alguém teria dito algo como “‘Aliens 100 anos atrás? As coisas mudaram e religião se tornou muito mais flexível. Sabemos que o universo é enorme, a Terra não está no seu centro e do nosso planeta não é plana, a próxima grande descoberta? A vida alienígena. Mas parece que um monte de gente de todo o mundo, astronautas e funcionários do governo já sabe que existe vida em outros lugares do universo e não é uma surpresa. Por exemplo … “Sim, houve nave acidentada, e os corpos recuperados. Nós não estamos sozinhos no universo, eles têm vindo aqui por um longo tempo “-. Apollo 14 Astronauta, capitão da força aérea, e fundador do Instituto de Ciências Noéticas, Dr. Edgar Mitchell Dr. Edgar Mitchell não é o único a falar sobre a vida extraterrestre, pois há um monte de outras pessoas que compartilham o ponto de vista de Mitchell. “Na minha opinião eu acho que eles estavam preocupados que iria entrar em pânico ao público para que eles começaram a dizer mentiras sobre ele. E então eu acho que eles tinham para contar outra mentira para cobrir a sua primeira mentira, agora eles não sabem como sair dela. Agora ele vai ser tão embaraçoso admitir que todas essas administrações têm dito tantas inverdades, seria embaraçoso sair dela. Há uma série de veículos extraterrestres lá fora cruzam em torno “-. Gordon Cooper, ex-astronauta da NASA, engenheiro aeronáutico e piloto de testes. Cooper e Mitchell não são os únicos astronautas da NASA para falar sobre a vida extraterrestre como o Dr. Brian O’Leary também abriu o jogo sobre vida alienígena no universo informando o seguinte: “Há provas abundantes de que estamos sendo contatados, que as civilizações foram visitar-nos para um tempo muito longo. Que sua aparência é bizarra de qualquer tipo de ponto ocidental materialista de vista tradicional. Que esses visitantes utilizam as tecnologias de consciência, eles usam toros, eles usam discos magnéticos co-rotação para os seus sistemas de propulsão, que parece ser um denominador comum do fenômeno UFO. “- Dr. Brian O’Leary, ex-astronauta da NASA e Princeton Professor de Física (fonte) E, como eu disse antes que os funcionários governamentais falaram sobre vida alienígena para o público, Paul Hellyer, o ex-ministro da Defesa canadense tinha muito a dizer sobre ET: “Décadas atrás, os visitantes de outros planetas nos advertiu sobre a direção que estávamos indo e se ofereceu para ajudar. Em vez disso, alguns de nós interpretado suas visitas como uma ameaça, e decidiu atirar primeiro e perguntar depois. É irônico que os EUA deveriam estar lutando guerras monstruosamente caros, alegadamente para levar a democracia para esses países, quando ela própria não pode mais reivindicar a ser chamado de democracia quando trilhões, e eu quero dizer milhares de bilhões de dólares foram gastos em projetos negros que tanto o Congresso como o comandante-em-chefe foram mantidos deliberadamente no escuro “. – Paul Hellyer, ex-ministro da Defesa canadense Mas se você acha que Hellyer foi o único a falar sobre aliens você está errado. Roscoe Hillenkoetter, o ex-chefe da Agência Central de Inteligência disse o seguinte: “Nos bastidores, oficiais da Força Aérea de alto escalão são sobriamente preocupado com UFOs. Mas através de segredo oficial e do ridículo, muitos cidadãos são levados a acreditar que os objetos voadores não são um disparate. ” Ex-chefe da CIA, Roscoe Hillenkoetter de 1960 Poderíamos continuar e expor muitas mais declarações de funcionários altamente classificados, mas essa lista seria extremamente extensa. Como você pode ver, o mundo como nós o conhecemos está sendo preparado passo-a-passo para a verdade. A nossa sociedade mudou drasticamente nos últimos 10-20 anos e chegamos ao ponto em que a vida alienígena e óvnis tornaram-se algo comum em todos os cantos do mundo e é só uma questão de tempo quando a NASA e outras agências irão liberar informações sobre a vida alienígena 
(via ancient-code.com).
Mais um post by: UFOS ONLINE

Chegou a hora? Cientista adverte que humanidade pode se extinguir neste século


Um cientista revelou que existe uma probabilidade entre quinhentas de que a raça humana possa desaparecer a qualquer momento neste século, informa jornal britânico The Independent.

De acordo com um estudo de Fergus Simpson, matemático do Instituto de Ciências do Cosmos, da Universidade de Barcelona, a raça humana já ultrapassou metade de sua história, pois já nasceram mais de metade de todas as pessoas. Assim, ele descobriu que a velocidade com a qual nos reproduzimos é muito mais alta do que a de qualquer outro momento da história, isto reduz significativamente as nossas chances de sobrevivência, comunica The Independent.

A pesquisa de Simpson está baseada no argumento do dia do juízo final, uma teoria probabilística que torna possível prever o número de seres humanos que habitarão o planeta em qualquer momento do futuro com base no número de pessoas que vivem hoje. Assim, o cientista calculou que o risco de verdadeiro apocalipse ao longo do século XXI é de 0.2%, o que implica que a probabilidade de que a nossa espécie não sobreviva neste século equivale a 13%.

De acordo com Simpson, "seria ingenuidade acreditar que o risco anual de uma catástrofe global é muito escasso, independentemente das inferências estatísticas mencionadas anteriormente".

Apocalipse


Não obstante, a conclusão de Simpson é muito mais otimista que alguns estudos anteriores, acima de tudo, do astrônomo britânico Martin Rees, que em sua obra 'A Nossa Hora final: Será o Século XXI o Último para a Humanidade?' sugere que há 50% de probabilidade de a raça humana deixar de existir até o ano de 2100.


Vem aí uma mini Era do Gelo para a Terra

Estudos recentes sugerem que a atividade solar está diminuindo a um ritmo mais rápido do que em qualquer outro momento na história. 


Os cientistas preveem que essa tendência vai continuar ao longo dos próximos quatro anos, levando a Terra a uma mini idade do gelo, com consequências desastrosas para o planeta.


O meteorologista e astrofísico britânico Piers Corbyn prevê que a Terra vai enfrentar nos próximos anos uma mini era do gelo que irá ter consequências devastadoras para o planeta, informa o jornal britânico Express. Estudos recentes sugerem que a atividade solar está diminuindo a um ritmo mais rápido do que em qualquer outro momento na história. 

Os cientistas preveem que essa tendência vai continuar ao longo dos próximos quatro anos, atingindo um mínimo entre 2019 e 2020, e que até 15 anos terão que passar para que o sol volte a uma atividade normal. "Estamos diante de um declínio na atividade solar e estamos caminhando para um período de mais inatividade. Isto pode causar uma mudança nas correntes de jato da atmosfera em direção ao sul, fazendo com que as latitudes temperadas, onde se encontram a Europa e a América do Norte, se esfriem", alertou o especialista. Corbyn indica que, como resultado, "as temperaturas vão cair, levando ao congelamento da água do oceano e à formação de gelo nas costas da Europa". “Esperamos que se produza uma mini era do gelo", diz ele.


O meteorologista salientou que há uma ligação entre estas grandes mudanças na atividade solar e o surgimento de fortes terremotos devido a uma redução na força dos campos magnéticos ao redor da Terra. Segundo ele, "o Japão, os EUA, as Filipinas e as regiões propensas a terremotos do Oriente Médio e da Ásia estão prestes a se colocar em alerta máximo”. Uma quantidade menor de erupções solares está associada com um período de menor atração magnética sobre a superfície da Terra, que detém o movimento das placas tectônicas e faz com que uma enorme pressão se acumule abaixo do crosta terrestre. O resultado, diz Corbyn, é como uma panela de pressão em que qualquer ligeiro movimento é capaz de desencadear um forte terremoto.

O pôr do Sol no Ártico

Projeto da Nasa decifra 'mensagem em código morse' na superfície de Marte


Não é a primeira vez que região é observada, mas imagens mostram mais detalhes em alta resoluçãoBBC Brasil

"NEE NED... DEIBEDH SIEFI EBEEE"
Não entendeu nada? É que a frase está em marciano, ou algo parecido: é uma parte do código morse formado por pontos e linhas de dunas perto do Polo Norte marciano.
Não é a primeira vez que os cientistas detectam esse padrão nas areias de Marte, mas novas imagens feitas em 6 de fevereiro, mostram com mais clareza e detalhe a topografia única da região.
Com isso, a cientista da Universidade do Arizona Veronica Brayn conseguiu "traduzir" a "mensagem" - mas muitos se decepcionaram porque, se estão tentando falar conosco, os marcianos precisam se esforçar mais: eles não estão usando nenhuma língua falada na Terra.
Na verdade, ainda que tenham causado alvoroço entre algumas pessoas que acreditam em OVNIs e teóricos da conspiração, os pontos e a linhas se formaram de maneira natural, a exemplo do que ocorre com as dunas de desertos aqui na Terra. Eles foram moldados pela direção do vento.
Complexidade eólica
Em um comunicado para a imprensa, a Nasa explicou que o acentuado padrão das dunas se devem ao fato da topografia particular o local: uma depressão circular, provavelmente formada pelo impacto de um asteroide, e que tem uma quantidade limitada de areia para ser arrastada pelo vento.
O resultado são as distintas linhas e pontos captados pela câmera do Experimento Científico de Imagens de Alta Resolução (HiRISE, na sigla em inglês), que está a bordo da nave Mars Reconnaissance Orbiter, que fotografa o Planeta Vermelho desde a última década.
Imagem detalhada dos pontos e linhas perto do polo norte marciano. As imagens dão pistas sobre a complexidade dos padrões eólicos de Marte. As linhas largas são formadas por ventos bidirecionais, ventos que sopram em ângulos diretos contra a duna. Com o tempo, o vento que sopra de uma ou outra direção espalha o material como um funil em forma de largas e escuras linhas que podem ser vistas nas imagens detalhadas.
"Mensagem" em Marte é criada pelo vento, segundo geofísicos da NasaNasa
Já os pontos, conhecidos como dunas "barcanoides", são um poucos mais misteriosos. Os geofísicos acreditam que eles se formam quando a produção de dunas lineares é subitamente interrompida. Mas os cientistas da Nasa não estão muito seguros do que se trata, e é precisamente por isso que estão fotografando a região.
Mais análises
Com mais observação, os geofísicos esperam poder saber mais sobre como se formam as dunas da superfície de Marte e o que isso pode nos revelar sobre a possibilidade de, um dia, habitarmos o planeta.
A nave Mars Reconnaissance Orbiter fotografa a superfície do planeta durante uma década.
Enquanto isso, a cientista Veronica Bray, que integra o projeto HiRISE, traduziu a mensagem em código Morse e isso é o que dizem as misteriosas areias de Marte:
NEE NED ZB 6TNN DEIBEDH SIEFI EBEEE SSIEI ESEE SEEE !!
Antes de pegar o dicionário interestelar, saiba que a mensagem não é nada mais que um momento de diversão entre geofísicos que levam seus estudos muito a sério.

Mas a séria interpretação científica das areias de Marte poderá ajudar a entender melhor o que poderia ser viver em uma futura base neste planeta.
FONTE : BBC BRASIL

Sonda Juno envia primeira imagem após entrar na órbita de Júpiter


Primeira imagem da sonda JunoBBC Brasil

A sonda americana Juno enviou para a Terra sua primeira foto de Júpiter desde que, na semana passado, entrou na órbita do maior planeta do Sistema Solar.
A imagem mostra Júpiter parcialmente iluminado pela luz do sol, junto com três de suas chamadas grandes luas - Io, Europa e Ganímedes. O outro quarto grande satélite natural, Calisto, está fora do enquadramento.
A foto foi tirada no domingo, quando a sonda estava a 4,3 milhões de quilômetros de distância do planeta.
Juno está atualmente ganhando distância do planeta em sua órbita, mas voltará a se aproximar dele em agosto, o que possibilitará imagens melhores e mais detalhadas.
No momento, os cientistas estão satisfeitos em saber que o equipamento da sonda está funcionando depois de enfrentar o ambiente altamente radioativo de Júpiter durante as manobras de inserção na órbita, em 5 de julho.
O comando da missão está testando todo os instrumentos de Juno para checar seu status. A sonda passará por meses de calibragem e ajustes do equipamento antes de começar o período mais "sério" de estudos de Júpiter, em outubro.
Será o mês em que a sonda fará uma nova manobra que a colocará em uma órbita mais próxima ao planeta, durante 14 dias. A espaçonave dará 30 voltas ao redor de Júpiter, e em muitas das passagens ficará a menos de 5.000 km de distância.
Na imagem enviada para a Terra, ficam evidentes as camadas atmosféricas de Júpiter. Também pode-se notar a Grande Mancha Vermelha - uma tempestade de proporções colossais que há centenas de anos ocorre no planeta gasoso.

Nos próximos 18 meses, Juno tentará entender como Júpiter "funciona". Os cientistas querem estudar o interior do planeta. Suspeita-se que sua estrutura e composição química contêm pistas fundamentais sobre a formação do planeta, há 4,5 bilhões de anos.
Fonte : BBC BRASIL

Mistério de rocha gigante solitaria em lua de Marte intriga cientistas


Cientistas não acreditam que monólito esteja ligado a circunstâncias, digamos, estranhasNasa

"Quando as pessoas souberem, vão perguntar quem foi que colocou aquilo lá." A frase é de ninguém menos que Buzz Aldrin, o segundo homem a pisar na superfície da Lua, logo após Neil Armstrong, em 1969.

Aldrin se referia a uma peculiar e solitária rocha que existe na superfície de Fobos, uma das luas de Marte. E estava certo: muita gente que gosta de mistérios espaciais especula sobre o misterioso monólito na superfície do satélite.

Inevitavelmente, há teorias da conspiração envolvendo alienígenas. E a formação deu até título para um álbum de Sean Lennon, o filho mais novo de John Lennon.


Mas o que se sabe sobre a rocha, afinal?

Parece ser uma grande pedra — a altura já foi estimada em 90 metros. Está situada em uma região vazia de Fobos, o que provavelmente faz o monólito ter tanto destaque na paisagem.


Só que a comunidade científica não vê essas formações como evidência da existência de civilizações alienígenas.
Forças erosivas naturais podem explicar outras formações misteriosas já vistas em Marte, como uma pirâmide e o famoso "rosto" durante anos enxergado na superfície do planeta - na verdade, uma combinação entre rochas e sombras.

Formação de Fobos ainda é um mistério para cientistas   (Nasa)

Até porque, quando analisadas mais de perto ou de ângulos diferentes, as formações não parecem tão incomuns assim.

Estilhaço

O monólito possivelmente se trata de uma espécie de estilhaço formado como consequência de um impacto.

Há evidências de que Fobos já foi atingida por meteoros e mesmo por detritos vindos da superfície de Marte, já que o satélite fica a apenas 6 mil km do planeta (a Terra e a Lua estão separadas por 384 mil km, em comparação).

Mas o monólito pode não ter sido formado por um impacto, e sim ser uma protuberância da crosta da lua que varou a superfície.

Essa ideia já foi discutida por cientistas explorando as possibilidades de uma missão a Fobos. Se a hipótese for correta, o monólito pode conter pistas sobre a origem da lua - e isso é algo interessante, pois o satélite marciano é um dos corpos celestes mais misteriosos do Sistema Solar.


Marte tem outra lua, Deimos. E não está muito claro como ela e Fobos surgiram - ambas são irregulares no formato e se parecem mais com asteroides capturados pelo campo gravitacional do Planeta Vermelho.

Mas as luas orbitam Marte de uma forma incompatível com essa hipótese.
Uma teoria alternativa é de que as elas foram formadas com o mesmo material do planeta, mas medições científicas revelaram que

Fobos é bem menos denso que as típicas formações rochosas marcianas, o que levou alguns cientistas a acreditarem que as duas luas surgiram a partir de um impacto devastador na superfície de Marte.

Especula-se que foi um evento deste tipo que criou a Lua terrestre, mas o nosso satélite é grande, enquanto Fobos e Deimos têm dimensões modestas. Ou seja: um impacto devastador deveria ter dado a Marte satélites mais graúdos.

Dois estudos publicados este ano podem ter resolvido o mistério. Ambos concluem que a terceira hipótese é a mais correta - um dos estudos apresenta evidência de que as luas não são asteroides capturados, e o outro apresenta um cenário detalhado da formação delas.

O impacto, aparentemente, gerou uma lua grande e essa lua "encorajou" a formação de Fobos, Deimos e vários outros satélites.
Eventualmente, a grande lua e todas as outras, com a exceção das hoje existentes, chegaram tão perto da superfície de Marte que acabaram desintegrando-se. Expedições a Fobos e ao monólito podem testar a hipótese.

No ano passado, a Nasa, a agência espacial americana, publicou estudos sugerido que Fobos está se desfazendo lentamente.

Sulcos em sua superfície podem ser sinais do processo. Mas uma missão ainda não se trata ainda de uma corrida contra o relógio: serão necessários pelo menos de 30 milhões a 50 milhões de anos para que a misteriosa lua marciana se desintegre.riosa lua marciana se desintegre.
fonte : BBC BRASIL