segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Médicos dão dicas de como amenizar desconforto por clima seco


São Paulo entrou em estado de alerta nesta quarta por tempo seco.

Quem já tem problemas respiratórios sofre mais com baixa umidade.

Mariana LenharoDo G1, em São Paulo
Termômetro marca 31°C na Avenida Olavo Fontoura, na Zona Norte de São Paulo. (Foto: Roney Domingos/G1)Termômetro marca 31°C na Avenida Olavo Fontoura, em São Paulo, nesta quarta. (Foto: Roney Domingos/G1)
Com a umidade do ar baixa, é comum sentir irritação na garganta, no nariz e nos olhos. O desconforto é ainda maior para pessoas que já têm doenças respiratórias como asma, rinite alérgica ou bronquite crônica, que ficam propensas ao agravamento dos quadros. Em semanas como esta, em que a umidade relativa do ar chegou ao índice mais baixo registrado neste ano na cidade de São Paulo, é preciso tomar cuidados especiais para evitar esses problemas. Médicos ouvidos pelo G1 dão dicas de como amenizar a secura.
O pneumologista Ciro Kirchenchtejn, coordenador do Centro de Tratamento do Tabagismo do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, lembra que essa condição climática também favorece a manutenção dos poluentes no ar, o que potencializa os danos à saúde.
As vias aéreas são uma das partes do nosso corpo mais sensíveis a essas variações climáticas, de acordo com a médica Ana Paula Moschione Castro, da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai). “O ar tem que chegar ao pulmão a uma temperatura de 36ºC, com umidade de 60%. Em dias secos, o nariz tem que trabalhar muito para garantir que o ar fique nessas condições”, explica.
Hidratação
A principal recomendação para os dias secos é tomar bastante água, o que pode ajudar a aliviar a irritação na garganta. Lavar as narinas com soro fisiológico também ajuda a diminuir o desconforto no nariz. Ana Paula observa que o ideal é escolher as soluções fisiológicas, que tem a mesma concentração dos líquidos corporais, e não apenas usar água pura ou soro caseiro.

Vaporizadores e bacias de água
Em dias muito secos, pode-se recorrer também aos vaporizadores, principalmente na hora de dormir. Mas é importante cuidar para que o ambiente não fique úmido demais, de modo que favoreça o crescimento de fungos. Kirchenchtejn lembra que a água do vaporizador deve estar sempre bem limpa, para não contaminar e aumentar o número de bactérias no ambiente.

Para Ana Paula, a bacia de água ou a toalha úmida no quarto são opções mais seguras. Outra opção mais sofisticada são os umidificadores de ar em que é possível regular a umidade. Neste caso, o ideal é programar a umidade para ficar entre 55% e 60%.
Exercícios físicos
De acordo com o médico Gustavo Wandalsen, professor do Departamento de Pediatria da Escola Paulista de Medicina (Unifesp), em dias de umidade muito baixa, é recomendável evitar fazer atividades físicas nos horários mais secos do dia, entre o fim da manhã e o início da tarde. “Se estiver muito ruim, o ideal é postergar para outro dia. Mesmo em ambientes fechados, dentro de casa ou da academia, o ar também vai estar seco”, diz.

Cuidados com os olhos
Quando o clima está seco, as lágrimas também evaporam mais, o que faz com que as pessoas tenham a sensação de olho seco. De acordo com o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, do Instituto Penido Burnier, o olho seco fica mais vulnerável a alergias e a conjuntivites. O ar condicionado agrava ainda mais a situação.

Para aliviar a secura dos olhos, o médico recomenda que as pessoas usem colírios do tipo lágrima artificial. “As lágrimas artificiais não necessitam de prescrição. O que acontece nesses períodos é que muitas pessoas lançam mão do colírio que têm em casa. Aumenta automedicação com colírios vasoconstritores, que têm princípios ativos que, usados indiscriminadamente, até ressecam mais o olho”, diz Queiroz Neto. Outras dicas do médico são evitar coçar os olhos e higienizar bem as mãos antes de tocar os olhos, no caso das pessoas que usam lentes de contato.
Arte tempo seco (Foto: Arte/G1)