terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Meteoro explode sobre a Sibéria, transformando a noite em dia

Os habitantes da região da república da Khakassia, no sudoeste da Sibéria testemunharam a queda de um meteoro em uma grande bola de fogo explodindo no céu na terça-feira, que brevemente fez a noite ficar tão brilhante como o dia. Alguns até conseguiram pegar o evento em câmeras de vídeo.
Meteoro explode sobre a região da república da Khakassia, no sudoeste da Sibéria, na Rússia, transformando a noite em dia
O meteoro aparentemente foi queimado na alta atmosfera, tão pouco nenhum som da explosão foi ouvido no solo pela maioria das testemunhas oculares, o Ministério de Emergências anunciou.
“No começo, eu não conseguia entender o que estava acontecendo. Houve uma luminescência súbita. Não foi como a luz durante o dia, mas ainda foi bastante brilhante, “  testemunhou Olga Sagalakova à RT.
“Olhamos para a montanha perto de nós … e vimos um enorme meteoro voando acima dela. Ele tinha uma cauda. Francamente, eu fiquei com medo. Eu pensei que era uma bomba “,  disse ela.
Relatos da rara ocorrência também surgiram do outro lado da região da Khakassia, bem como da vizinha região de Krasnoyarsk, o site de notícias local xakac.info informou. O evento foi melhor visto sobre a cidade de Sayanogorsk.
Um residente de Khakassia, Nikolay Soldatov, disse que o meteoro “emitiu uma luz fria, como uma lâmpada fluorescente.”
“Eu vi que ele estava começando a iluminar rápido. O flash foi realmente brilhante.Não era ofuscante, mas ainda era brilhante. Olhei para cima e … acima do hospital da cidade havia um meteoro queimando”, disse ele a RT.
O meteoro foi visto por três ou quatro segundos e cerca de metade de um minuto mais tarde, houve um grande estrondo, desencadeando os alarmes de carros em muitas partes da cidade, disse a testemunha.
diferencameteorometeoritoarteterra
“Foi muito bonito. Você não vê isso todos os dias “, disse Sergey Isaykin do meteoro. “Mas nós não estávamos com medo pois nós instantaneamente entendemos que era algo como [o que aconteceu] em Chelyabinsk há três anos.”
Fóruns das redes sociais locais foram bombardeados com a especulação de um possível mau funcionamento de foguete ou outros percalços tecnológicos, mas as autoridades asseguraram aos moradores que a explosão foi natural e não tinha causado nenhum dano.
Se quaisquer fragmentos do meteoro sobreviveu à queda,  muito provavelmente ele caiu algo em torno do Vale do Babik, as autoridades regionais disseram à agência TASS, acrescentando que uma expedição já tinha sido despachada para a área.
“[O meteoro] era várias vezes menor do que o meteoro de Chelyabinsk , mas os seus fragmentos podem ser encontrados”, comentou Viktor Grokhovsky, professor da Universidade Federal Ural. “Determinar onde os fragmentos caíram  exigiria cálculo preciso do seu caminho. Isso pode demorar um ou dois dias. “
chelyabinsk-meteoro
Um poderoso flash luminoso foi visto nos céus nas regiões de Chelyabinsk, Tyumen e Sverdlovsk, também na República russa de Bashkiria e no norte do Cazaquistão no dia 15 de fevereiro de 2013
“Provavelmente não teria mais do que 10 a 15 metros de diâmetro, e era constituído de pedra não de ferro”, Natan Eysmont do Instituto de Pesquisa Espacial Russa disse à agência de notícias TASS. “Tais meteoros, a menos que eles entrem na atmosfera em um ângulo muito acentuado, não são perigosos.”
Tradução, edição e imagens:  Thoth3126

Descoberto outro satélite da galáxia Cata-Vento do Sul


Uma foto do grupo M83 feita em 1997. A nova galáxia-anã está na região marcada pelo círculo vermelho. (Foto: Carrillo et al., 2016/Phys.org)
UMA FOTO DO GRUPO M83 FEITA EM 1997. A NOVA GALÁXIA-ANÃ ESTÁ NA REGIÃO MARCADA PELO CÍRCULO VERMELHO. (FOTO: CARRILLO ET AL., 2016/PHYS.ORG)



Em 1752 o astrônomoNicolas Louis de Lacaille descobriu a primeira galáxia que não faz parte do chamado "grupo local", aglomeração de galáxias que inclui, entre outros vizinhos, Via Láctea, Andrômeda e os satélites das duas. 

A descoberta galáctica, que no céu terrestre pode ser vista em meio à constelação de Hydra, estava a 15 milhões de anos-luz da Terra, e foi batizada de Cata-Vento do Sul por sua forma espiral. Agora, quase 300 anos depois, a equipe da astrônoma Andreia Carrillo, da Universidade de Michigan, descobriu que na órbita de Cata-Vento, a 85 mil anos luz de distância de sua hospedeira, há uma pequena galáxia-anã. Os resultados estão disponíveis em fase de pré-publicação no arXiv.org.
A equipe explicou ao Phys.org que na região do céu em que se localiza dw1335-29 — nome oficial da pequena recém-descoberta — foi detectada uma densidade incomum de estrelas do ramo das gigantes vermelhas (RGBs), uma fase da evolução estrelar que indica idade mais avançada, em que a estrela tem um núcleo inerte de hélio em seu centro. Também havia uma concentração um pouco maior que a média de estrelas azuis. Foi o brilho delas que permitiu calcular a distância entre hóspede e anfitriã de tão longe.
Dw1335-29 foi classificada como uma anã-irregular ou anã em fase de transição pela presença de uma região de formação de estrelas e seu formato indefinido. Para fazer as observações, a equipe usou o telescópio espacial Hubble, velhinho favorito da NASA, e informações coletadas pelo Very Large Telescope (VLT) da Agência Espacial Europeia (ESA).
Em estudos futuros, a equipe pretende analisar a formação de estrelas em várias outras galáxias-satélite do grupo de Cata-Vento, chamado M83. Se o fenômeno for comum, isso pode significar que a galáxia principal não tem um envolope de gás quente, que costuma desestimular a formação estelar em suas redondezas.