sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Médicos extraem objetos estranhos de pessoas que dizem ter sido abduzidas. Conheça alguns casos

O médico Roger Leir, especialista em podologia, afirmou ter realizado 17 intervenções cirúrgicas nas quais extraiu objetos estranhos, que poderiam ser implantes alienígenas. As pequenas incrustações eram magnéticas, e algumas tinham uma frequência muito alta para sua dimensão. Outros objetos examinados possuíam fragmentos de metais próprios de meteoritos: gálio, germânio, platina, rutênio, ródio e irídio.
O doutor em química e física Alex Mosier examinou as amostras com Leir e afirmou ter encontrado fibras muito similares aos nanotubos de carbono, o que sugere que os fragmentos foram desenhados ou fabricados. Ele explica que “essas coisas não poderiam ser encontradas na natureza. Teriam que ser processadas, requerem uma engenharia complexa e não são fáceis de fabricar”. De acordo com Leir, as pessoas das quais esses objetos foram extraídos não possuíam cicatrizes visíveis nem sinais de inflamação, apesar de os raios x mostrarem a incrustação.
Leir faleceu em 14 de março do ano passado, o que interrompeu o aprofundamento de seus estudos. No entanto, embora haja um ceticismo evidente acerca de suas afirmações, muitos acreditam que essa é a prova mais evidente de inteligência extraterrestre já apresentada.


Veja as estranhas fotos de alienígenas encotradas na Deep Web



A deep web ainda é um mistério para a maioria das pessoas. Nem todo mundo que acessa conteúdo ou faz buscas na internet tem ideia do que há na parte mais profunda e escondida da rede mundial de computadores. Fazendo uma analogia, quem navega na internet “normal” está somente na superfície de uma ilha no meio do mar. A deep web seria tudo o que está neste vasto e escuro oceano. Quem já esteve por lá, afirma que ali tem de tudo e mais um pouco, o melhor e o pior do ser humano, além de muita coisa sobre extraterrestres e especulações em torno da existência de seres que desconhecemos.
Abaixo selecionamos algumas fotos da deep web de supostos alienígenas. As imagens, praticamente, têm a sua origem revelada, mas, a partir delas, a pergunta é: será que podemos acreditar na existência de vida fora da Terra? Como já perguntava o astrônomo e escritor Carl Sagan: “O que é mais assustador? A idéia de extraterrestres em mundos estranhos, ou a ideia de que, em todo este imenso universo, nós estamos sozinhos?"


Fonte:  Necro Dark

sem chances de impacto

Atenção - No próximo dia 26 de janeiro teremos a aproximação máxima do asteroide 2004 BL86, que tem cerca de 700 metros de comprimento e massa de 493 milhões de toneladas. Essa será a maior aproximação de um asteroide com essas dimensões até o ano de 2027.
O asteroide passará a cerca de 3.1 LD da Terra (3.1 vezes a distância da Terra à Lua) e não há qualquer chance de impacto. Viajando a 15,6 km/s, se atingisse a Terra o objeto liberaria energia equivalente a 13 milhões de toneladas de TNT, o mesmo que 650 bombas atômicas similares a que destruiu Hiroshima em 1945.
Durante a máxima aproximação, 2004 BL86 poderá ser visto por astrônomos amadores através de pequenos telescópios.





Via Láctea pode ser buraco de minhoca para viagens no tempo

 Cientista diz que, em teoria, túnel galático seria 'navegável'  (Foto: Paolo Salucci)
(Foto: Paolo Salucci)

Nossa galáxia pode ser, em teoria, um grande túnel semelhante a um buraco de minhoca (ou túnel de viagens no espaço e no tempo), possivelmente "estável e navegável" e, portanto, "um sistema de transporte galático". É o que sugere um artigo publicado no periódico Annals of Physics.
O estudo - que, ressaltam os cientistas, ainda é uma hipótese - é resultado de uma colaboração entre pesquisadores italianos, americanos e indianos.
Para chegar a essas conclusões, os estudiosos combinaram equações da teoria da relatividade geral, desenvolvida por Albert Einstein, com um mapa detalhado da distribuição de matéria escura (que representa a maior parte da matéria existente no Universo) na Via Láctea.
"Se unirmos o mapa da matéria escura na Via Láctea com o modelo mais recente do Big Bang para explicar o Universo e teorizarmos a existência de túneis de espaço-tempo, o que obtemos é (a teoria) de que nossa galáxia pode realmente conter um desses túneis e ele pode ser do mesmo tamanho da própria galáxia", disse Paolo Salucci, um dos autores do estudo e astrofísico da Escola Internacional de Estudos Avançados de Trieste (Sissa, na sigla em italiano).
"Poderíamos até viajar por esse túnel, já que, com base em cálculos, ele seria navegável. Assim como o visto recentemente no filme Interestelar."
Ainda que túneis desse tipo tenham ganhado popularidade recentemente com o filme de ficção científica, eles já chamam a atenção de astrofísicos há muito tempo, explica comunicado do Sissa.
Salucci afirmou não ser possível dizer com absoluta certeza que a Via Láctea é igual a um buraco de minhoca, "mas simplesmente que, segundo modelos teóricos, essa hipótese é possível".
O cientista explicou que, em teoria, seria possível comprovar essa hipótese fazendo uma comparação entre duas galáxias - aquela à qual pertencemos e outra parecida. "Mas ainda estamos muito longe de qualquer possibilidade real de fazer tal comparação."
Matéria escura
Estudos prévios já haviam demonstrado a possível existência desses buracos de minhoca em outras regiões galáticas. Segundo o estudo do Sissa, os resultados obtidos agora "são um importante complemento aos resultados prévios, confirmando a possível existência dos buracos de minhoca na maioria das galáxias espirais".

O estudo também reflete sobre a matéria escura, um dos grandes mistérios da astrofísica moderna. Essa matéria não pode ser vista diretamente com telescópios; tampouco emite ou absorve luz ou radiação eletromagnética em níveis significativos. Mas a misteriosa substância compõe 85% do universo.
Salucci lembra que há tempos os cientistas tentam explicar a matéria escura por meio de hipóteses sobre a existência de uma partícula específica, o neutralino - o qual, porém, nunca foi identificado pelo CERN (Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear, que pesquisa o Bóson de Higgs, a chamada "partícula de Deus") ou observado no Universo. Mas há teorias alternativas que não se baseiam nessa partícula.
"Talvez a matéria escura seja uma 'outra dimensão', talvez um grande sistema de transporte galático. Em todo o caso, realmente precisamos começar a nos perguntar o que ela é."